O intrépido Submarino Amarelo

 

Para variar, eu estou postando alguma coisa sobre um jogo obscuro e esquecido, desta vez, é o Sub Culture (e não uma música dos Beatles, como o título poderia sugerir), um jogo lançado em 1997 pela Ubisoft e a Critterion Studios.

 

O universo de Sub Culture é bastante restrito, para ser mais específico, é uma lagoa... Você faz parte de uma raça de minúsculas criaturas que habitam uma lagoa de água salgada, onde existe alguma vida marinha, dois clãs dominantes (os Procha e os Bohine), onde um clã é tecnológico enquanto o outro é adepto a uma existência mais simples e rústica e cada um dos dois clãs possui suas cidades-estado. Além disso, existe uma refinaria industrial, uma prisão e algumas bases independentes (leia-se piratas).

 

Você é o dono de um pequeno submarino amarelo (daí o nome do post) e um belo dia, quando você volta de um dia de serviço, uma lata destrói sua casa (sim, uma lata, jogada displicentemente por algum gigantesco humano)... A partir daí, o submarino passa a ser o seu lar, e você precisa continuar trabalhando para ganhar dinheiro e se manter, esse trabalho inclui  uma série de missões contratadas pelos clãs dominantes.

 

Além das missões, você pode comercializar especiarias entre uma cidade e outra, aonde sempre é bom ver quais artigos são mais baratos em uma cidade e mais caros em outra, para se obter o maior lucro possível.

 

Os gráficos são muito bons para a época que o jogo foi feito, onde você pode jogar com a visão em primeira pessoa (dentro do submarino) ou terceira pessoa, podendo variar os ângulos conforme pede cada missão. A física do jogo também é bastante realista, confesso que nunca entendi porque esse jogo nunca emplacou...

 

Outra coisa muito legal é ficar observando a vida marinha do jogo, há vários tipos de peixes, enguias e tartarugas que você pode seguir e observar, quase que passeando em um aquário, e não é raro você ver um peixe maior atacando um menor (ou até o seu próprio submarino).

 

Existe no jogo, ainda que subjetivamente uma consciência ecológica, ou seja, uma das principais maneiras de se fazer dinheiro é recolhendo e vendendo tampinhas de garrafa, bitucas de cigarro, embalagens de alumínio (as famosas quentinhas/marmitex) e outras tralhas que jogamos na natureza sem nos darmos conta do estrago que isso causa.

Para isso, dependendo do que você vai recolher, você deve equipar o submarino com as ferramentas específicas para tal (um gancho, um imã, um aspirador, etc) e também se armar, porque, como eu já disse, há piratas lá fora e você precisa se defender.

 

 

A variedade das missões é muito boa, existem missões de resgate, escolta, pesca e por aí vai, com o nível de dificuldade bastante variado. Uma das minhas preferidas é uma que eu tenho que plantar uma escuta em um submarino dos Bohines e seguí-lo, reportando aos Prochas suas transmissões de rádio, fazendo o serviço de espião e depois quase provocando uma guerra entre os dois clãs. Mas não pense que você vai ter que escolher um lado, você trabalha para todo mundo que pague o seu preço - Nem sempre serão missões pacíficas, mas o lance interessante é que, quando você está aportado, pode ver as comunicações de tv e e-mails sobre determinada missão, aonde um tal de submarino anônimo pode ser tachado de herói ou de ameaça pública - depende do lado da história.

 

Eu comprei esse jogo quando ainda era novo, joguei várias vezes e ainda tenho ele em um pen-drive para quando bate saudades de jogar algo descompromissado e divertido. Se você tiver a curiosidade de investigá-lo, eu acredito que o abandonia.com tem o download dele. Recomendo.